Catalisador falso é grande vilão do consumo de combustível

Gastos anuais chegam a R$ 510 a mais de combustível com o uso de equipamentos falsificados

A utilização de catalisadores falsos ou ocos não melhoram a potência do motor. Na verdade, eles aumentam o consumo de combustível dos veículos. O alerta é dado pela Mastra Escapamentos e Catalisadores, líder em tecnologia para fabricação de sistemas de exaustão.

Um veículo que não possua catalisador ou foi substituído por uma peça falsa, além de contribuir para o agravamento da poluição do ar, eleva o consumo mensal de combustível em até 20%. Conforme estudo do Sindicato de Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo (Sindirepa), o catalisador inoperante por conta de quebra, derretimento ou entupimento aumenta o consumo de combustível, que em um ano pode chegar a mais de R$ 500,00.

A conta é simples. Um carro com o catalisador dentro das especificações, que costume andar 20 mil quilômetros em um ano, com uma média de consumo de 10,5 Km/por litro, terá um consumo aproximado de 1.900 litros por ano, o que corresponde a um custo anual de R$4.845,00. Já com o catalisador falso ou vencido, o automóvel que percorrer a mesma quilometragem terá um consumo/por litro de 9,5 Km, utilizando assim, 2100 litros por ano, aumentando o gasto do motorista em R$ 510,00, pois o custo anual ficará em R$ 5.355,00. Foi utilizado como base para o cálculo que o custo anual é igual ao consumo aproximado vezes R$ 2,55 (estimativa para o valor do combustível).

"Quando substituir o catalisador, é preciso ter o cuidado de não aceitar peças falsificadas; formadas por apenas uma carcaça com tubo soldado. Os falsos catalisadores custam mais barato que os originais, mas não funcionam com sua verdadeira finalidade", explica o gerente de Engenharia e Qualidade da Mastra Escapamentos e Catalisadores, Valdecir Rebelatto.

Catalisadores falsos provocam o aumento direto do consumo do combustível, além de causar uma mudança nas taxas de contrapressão, que causam alterações no sistema de injeção, arraste de óleo do motor e desgaste prematuro de peças.

Troca do catalisador

Um catalisador genuíno, que vem no veículo novo, tem durabilidade mínima de 80 mil quilômetros. Trincas, quebras, derretimento e entupimento da cerâmica também são sinais para a troca imediata, além da não conversão dos gases. Os catalisadores para o mercado de reposição têm durabilidade mínima de 40 mil quilômetros conforme regulamentação do CONAMA. A verificação deve ser feita por profissionais especializados em oficinas e centros automotivos.